Existe quem diga que em todos os lugares a Chantria é igual à daqui, que a Divina de Val Royeaux reina suprema aos olhos do Criador e que isso jamais é questionado em toda Thedas.

Não acredite nisso.

O segundo mandamento do Criador, “A magia deve servir ao homem, não subjuga-lo”, nunca teve dentro do antigo Império Tevinterano o mesmo sentido que em outros lugares. A interpretação da Chantria de lá foi que os magos jamais deveriam controlar a mente de outro homem e que, fora isso, a magia deveria beneficiar os governantes o máximo possível. Quando os clérigos tevinteranos alteraram o Canto da Luz para refletir essa interpretação do mandamento, a Divina de Val Royeaux ordenou que eles revertessem ao original. Recusando-se e alegando corrupção dentro de Val Royeaux, a discussão cresceu até 4:87 da Era da Torre quando a Chantria de Tevinter elegeu seu próprio “legítimo incorruptível” Divino Valhail, não apenas homem, mas um dos membros mais proeminentes do Círculo dos Magos de Tevinter. O “Divino Sombrio” foi vilipendiado fora de Tevinter, sua existência era uma ofensa à Chantria de Val Royeaux. Depois de quatro Marchas Exaltadas para expulsar esses “rebeldes”, tudo o que a Chantria de Val Royeaux conseguiu foi consolidar a separação.

Embora em muitos aspectos os ensinamentos da Chantria Imperial sejam os mesmos, as proibições de magia se enfraqueceram e os sacerdotes homens se tornaram predominantes. Hoje o Círculo dos Magos governa diretamente Tevinter, desde que o Arconte Nomaran foi eleito em 7:34 da Era da Tormenta vindo das fileiras de encantadores com grande apoio popular. Ele dispensou as antigas regras que proibiam os magos de participar da política, e em menos de uma era os governantes de fato de várias casas imperiais, os magos, assumiram abertamente seu lugar no governo. Agora o Divino Imperial sempre vem das fileiras de primeiros encantadores e atua tanto como Divino quanto Grande Encantador. Isso é uma imensa heresia para qualquer integrante de Chantrias de fora de Tevinter, um retorno aos dias dos magistrados que trouxeram as Podridões sobre nós. Mas ela existe, e mesmo que tenhamos deixado o Império Tevinterano à mercê dos terríveis Qunari, ainda assim ela perdura. Outros confrontos entre o Divino Sombrio e a nossa, assim chamada, “Divina Clara” são inevitáveis.

– De Editos do Divino Sombrio, por Padre David de Qarinus em 8:11 da Era Abençoada