elfos

Os elfos de hoje são meras sombras de seus ancestrais. O nome elfo tem origem na palavra elvhen, que significa “o povo”. Alguns elfos afirmam que antigamente eles governavam um reino chamado Elvhenan, cuja tradução é “o lugar do povo”. A cidade perdida de Arlathan seria sua capital.

É dito que eles já foram seres imortais, vivendo de acordo com suas próprias regras e crenças. Quando os humanos chegaram, os elfos teriam perdido sua imortalidade e os culpado por suas vidas terem se “apressado”. Eventualmente, o Império de Tevinter conquistou o reino dos elfos. Muitos foram escravizados e, depois de gerações sob o comando do Império, muito de sua cultura, linguagem e história acabou se perdendo.

Quando Andraste e o seu Culto do Criador se tornaram proeminentes, iniciaram uma guerra contra o Império, forçando-o a recuar de suas fronteiras. Liderados pelo controverso discípulo élfico Shartan, os elfos escravizados de Tevinter se ergueram para apoiar a causa de Andraste. Por seu serviço, eles foram libertados e receberam os Dales, uma terra ao sul de Orlais, e uma nova capital foi formada, recebendo o nome de Halamshiral. O êxodo para sua nova pátria ficou conhecido como A Longa Caminhada.

Nos Dales, os elfos tentaram reconstruir sua cultura e mais uma vez adorar seu panteão de deuses perdidos. Mas depois de serem escravizados por Tevinter durante tanto tempo, muitos de seus velhos costumes foram esquecidos, até mesmo os nomes de alguns de seus deuses. Então eles se voltaram para a prática daquilo que ainda podiam recordar e adotaram novas crenças para preencher as lacunas.

A relação com os humanos continuou hostil, e a rejeição dos elfos ao Criador acabou resultando na ira da Chantria. Os elfos fundaram uma legião, conhecida como Cavaleiros Esmeralda, para proteger suas terras da invasão humana. A tensão só aumentava, e quando um pequeno grupo de exploração composto por elfos atacou a vila humana de Passagem Vermelha, a Chantria convocou uma Marcha Exaltada para reprimir o povo élfico e conquistar os Dales em uma série de batalhas brutais.

Os sobreviventes, expulsos de suas terras, se dividiram. Alguns se tornaram os andarilhos conhecidos como Dalish, viajando em grupos e se apegando teimosamente a tradições das quais mal conseguem se lembrar. Outros elfos, amargamente resignados ao seu destino, agora vivem em meio aos humanos como “elfos da cidade”, cidadãos de segunda classe, servos e trabalhadores braçais segregados em guetos, conhecidos como adventícios.

Texto traduzido e adaptado por Mey Linhares de Elves – World of Thedas Volume 1