book-da-stolenthrone-front_1

Ferelden está sob o domínio de Orlais e quem ocupa o seu trono é o sádico e tirano Rei Meghren, primo do Imperador Florian. As execuções em larga escala por motivos torpes acabam levando uma parte dos nobres fereldanos a se aliar, formando um exército rebelde com o intuito de depô-lo e devolver o poder a Moira Theirin, da linhagem real de Ferelden. The Stolen Throne começa com a fuga de Maric Theirin depois de presenciar o assassinato de sua mãe, a rainha rebelde Moira.

Em sua retirada, Maric encontra um grupo de foras-da-lei que, para sua sorte, haviam se unido para sobreviver ao reinado cruel de Meghren, por quem não tinham muito apreço. É nesse momento que ele conhece o jovem Loghain Mac Tir e, apesar de suas diferenças, para o bem ou para o mal, eles acabam unidos por uma causa em comum.

Quando Meghren descobre que o filho de Moira sobreviveu a sua armadilha, decide contratar a elfa espiã Katriel. Seu objetivo é ganhar a confiança de Maric e de seu exército rebelde para destruí-los e acabar de uma vez por todas com a revolta que ameaça o seu reinado em Ferelden.

Com a ajuda de Loghain e Rowan, sua prometida, Maric precisa assumir a liderança dos homens que se uniram em favor de sua família, levá-los para a batalha e aprender a ser rei da maneira mais difícil.

O livro é cheio de ação e tem boas descrições de batalhas. David Gaider acaba usando uma fórmula parecida com a dos jogos da série, apresentando um herói e os companheiros mais próximos que o seguem em sua jornada em busca de um feito grandioso. Outro ponto favorável é o mundo extremamente bem trabalhado em que o livro, e a série de maneira geral, se passa. Realmente é possível sentir-se dentro do universo de Dragon Age.

Mas como nem tudo é positivo, o primeiro livro da série tem diversos problemas, e o maior que encontrei foram os personagens rasos, com atitudes que beiram ao infantil. Não vejo uma evolução profunda no Maric, por exemplo, que mesmo depois de ver sua mãe sendo assassinada, da perseguição sofrida e das batalhas sangrentas, continua agindo de maneira inconsequente, como se nada daquilo que passou tivesse um grande significado em sua vida e no destino de Ferelden. Rowan Guerrin é outra personagem interessantíssima e muito pouco trabalhada. A filha de um nobre importante, prometida do futuro rei e que luta muito melhor do que ele. Me pergunto o porquê de não terem se aprofundado mais nela. Loghain talvez seja o personagem que mais apresente nuances, pois ao longo da história ele acaba encontrando motivação para seguir em frente em uma luta que, inicialmente, não lhe dizia respeito.

Apesar dos vários defeitos que a obra apresenta como literatura, The Stolen Throne é um excelente material de referência para quem deseja saber mais sobre a história de Ferelden e entender as motivações de alguns dos personagens que aparecem no primeiro game da série, como o Rei Cailan e Teyrn Loghain. E, além disso, ainda descobrimos por que a era do Dragão recebeu esse nome.